XX ENAPET: Ser ou não ser, eis a questão!

XX ENAPET (Encontro Nacional dos grupos PET) aconteceu entre os dias 27 e 31 de julho em Belém do Pará na UFPA (Universidade Federal do Pará) e na UFRA (Universidade Federal Rural do Amazonas) e contou com a presença de aproximadamente 800 pessoas, entre alunos, tutores, membros dos Comitês Locais de Acompanhamento e Avaliação (CLAA).

O ENAPET é a reunião anual dos grupos do Programa de Educação Tutorial – PET, a qual tem como objetivo principal refletir e discutir sobre temas relevantes à manutenção e ao desenvolvimento do referido programa, assim como apresentar sua produção acadêmica no âmbito da tríade: ensino, pesquisa e extensão e colaborar com o desenvolvimento social através da execução de temas de importância reconhecida para a sociedade.

O evento teve como tema “Educação Tutorial: ser ou não ser, eis a questão!”, a proposta do encontro foi discutir os problemas que atingem o PET em âmbito nacional, trocar experiências entre os diversos grupos e debater maneiras de expandir e melhorar o programa.

A programação do evento foi composta por mesas redondas, grupos de discussão sobre temáticas relativas ao Programa de Educação Tutorial, atividades culturais, encontros de tutores, bolsistas e CLAA’s, bem como apresentação de trabalhos.

A UNIPAMPA esteve representada pelos grupos PET Engenharias (Bagé), PET Agronomia (Itaqui), PET Ciências Biológicas (São Gabriel), PET PISC (Uruguaiana), PET Fisioterapia (Uruguaiana), PET Veterinária (Uruguaiana) e pelo presidente do Comitê Local de Acompanhamento e Avaliação da UNIPAMPA.

Entre os trabalhos apresentados por alunos da UNIPAMPA, o trabalho “Estudo de cinco anos de desligamento do grupo Pet Veterinária sugere falha no processo seletivo”, apresentado pelo bolsista Wilson Viotto de Souza do grupo PET Veterinária do campus Uruguaiana, recebeu Menção Honrosa como Melhor Trabalho na Área de Ciências Humanas. Segundo Wilson, esta pesquisa expõe não somente ao nosso PET, mas a todo o Programa, a importância da reformulação das metodologias de base para um melhor rendimento do grupo, visto que para a formação do mesmo, se faz necessário um planejamento adequado e o comprometimento na realização das atividades, sendo muitas vezes um fator limitante para o sucesso de um trabalho.

TRABALHOS APRESENTADOS
Realização de feira de profissões em escolas públicas do bairro São Judas Tadeu na cidade de Bagé-RS
 Apresentadora: Rosane Heck / PET Engenharias
Workshop em Bovinos - Integrando Ensino, Pesquisa e Extensão.
 Apresentadora: Karine de Mattos / PET Veterinária
Material Didático do Grupo Pet Veterinária
 Apresentador: Marcelo Becker / PET Veterinária
Toró de Ideias: Uma Ferramenta de Formação Profissional e Cidadã.
 Apresentadora: Karine Colling / PET Fisioterapia
Promovendo a Saúde Cardiovascular em bairros populares da cidade de Uruguaiana
 Apresentadora: Letícia Callegaro / PET Fisioterapia
Calourada Solidária: Alternativa de Acolhimento aos Ingressantes da UNIPAMPA.
 Apresentador: Junior Guilherme Scheidt / PET Ciências Biológicas
Levantamento da Herpetofauna do campus São Gabriel da Universidade Federal Do Pampa
 Apresentador: Guilherme De Azambuja Pereira / PET Ciências Biológicas
Avifauna do Campus São Gabriel da Universidade Federal do Pampa: Resultados Preliminares
 Apresentadora: Cassiana Alves De Aguiar / PET Ciências Biológicas
Práticas Integradas em Saúde Coletiva
 Apresentadora: Paôla Cabral do Prado / PET PISC

Mais sobre o evento: 
Página Oficial: http://petmec.wix.com/xx-enapet
Fanpage: https://www.facebook.com/xxenapet

A importância dos educadores identificarem o TEA

“A escola que convive com inclusão, com o diferente, forma pessoas melhores e seus educadores se tornam seres humanos melhores”. (Franck Maciel Peçanha)

Durante o Seminário Pedagógico do Colégio Metodista União foi realizada uma palestra sobre o Transtorno do Espectro do Autismo – TEA, ministrada pelo Prof. Franck Maciel Peçanha, tutor do grupo PET Fisioterapia da UNIPAMPA que apresentou o Projeto de Extensão “Conhecendo o Autismo”. O objetivo foi levar conhecimento do autismo à equipe, de modo que todos estejam mais preparados para participar do processo educacional das crianças e adolescente com autismo. O TEA ainda é desconhecido nas escolas e é importante que toda a comunidade escolar esteja preparada para receber estes alunos, dar as boas vindas, incluí-los e desenvolver estratégias para que eles possam explorar todo o seu potencial. “Todos devem estar preparados, desde o porteiro até a direção”, ressalta.  A desinformação sobre o autismo não se restringe apenas à educação, mas também abrange a área de saúde, dificultando o diagnóstico, alerta o professor. Segundo ele, “é importante que a família, a escola e a rede de profissionais da saúde, todos juntos, tenham um olhar mais atento”.

Sinais de autismo

O autismo é considerado um transtorno global do desenvolvimento que tem causas neurobiológicas e provoca alterações mais evidentes nas áreas da interação social, comunicação e comportamento. É importante lembrar que essas crianças também possuem grandes habilidades que devem ser identificadas e utilizadas no processo educacional.

O professor diz que é importante a comunidade escolar ficar atenta para alguns critérios comuns na criança com o TEA, como déficits de comunicação verbal e não verbal, falta de reciprocidade social e dificuldade de manter relacionamentos de amizade com crianças da mesma faixa etária. Além disso, andar na ponta dos pés, não olhar fixo nos olhos, apresentar estereotipias motoras e verbais, isolamento na escola, atraso na fala, não atender quando chamado, hiper ou hiposensibilidade, alteração no sono e restrições alimentares são sinais que quando identificados devem fazer com que os professores orientem a família a buscar avaliação com especialista (pediatra/neuropediatra).

Geralmente a criança com autismo se interessa muito por alguma coisa. É importante que o educador identifique o que é. “O foco de interesse num assunto é a forma da criança com autismo se organizar, se tranquilizar”, diz. O professor poderá utilizar materiais diferenciados para este aluno de acordo com seu interesse.

Preparando a escola

A escola deve estar preparada para receber crianças com autismo, incluindo a capacitação dos educadores para que tenham conhecimento sobre o transtorno, além de adaptações físicas. O professor Peçanha acredita que “A escola que convive com inclusão, com o diferente, forma pessoas melhores e seus educadores se tornam professores e seres humanos melhores”.

Para Peçanha é importante que os professores trabalhem as habilidades dos alunos com autismo, desenvolvam rotinas, preparem relatório de interesses, habilidades e aversões da criança. Segundo ele a comunicação com a criança deve ocorrer através da direta e com utilização de imagens. Ele lembra ainda que “o mediador é muito importante para que a criança com autismo possa explorar todo o seu potencial; no entanto, o mediador não substitui o professor que continua sendo a grande referência do aluno na sala”.

A preparação da sala de aula com iluminação adequada, sem ruídos e poluição visual é importante para evitar a sobrecarga sensorial. Peçanha lembra que “criança que passa muito tempo na sala de recurso não está incluída” e que “…é importante investir nas habilidades, acreditar e investir neste desconhecido e inestimável potencial das crianças com autismo…”

O professor aproveitou para divulgar a página do facebook – “Autismo Sem Limites”- que ele utiliza para divulgar informações interessantes sobre o autismo.

Redação: Giovana Petrocele

Fonte: http://www.educacional.com.br/escolas/mural/lenoticia.asp?id=588066&EscolaId=130580001

Pensando a Produção Cultural – Cinema e Carnaval

O projeto de extensão do grupo PET Produção e Política Cultural vinculado ao curso de Produção e Política Cultural “Pensando a Produção Cultural” está focado na comunidade artística da região e seus gestores que já atuam na área da cultura e, portanto trabalham com o conceito de Produção Cultural, bem como discentes do curso ampliando a reflexão sobre este universo profissional. Aberto também ao público em geral com entrada franca.

            Esta edição conta com a participação da produtora Moviola Filmes de Pelotas/RS, que iniciou suas atividades no ano de 2007.  Tem sede em Pelotas e desde a sua fundação, dedica-se a criação e produção de filmes de ficção, documentários de curta, média e longa-metragem e minisséries em coprodução. Atualmente desenvolve diversos projetos de valorização da cultura brasileira e latino-americana.

Com o tema “Cinema e Carnaval”, o evento exibirá o documentário “De outros Carnavais” do Moviola Filmes, que apresenta alguns personagens do carnaval de Pelotas, que representam não só a beleza e a autenticidade desta genuína manifestação popular, mas também a luta de quem realiza com poucos recursos um grande espetáculo cultural. E contará com a presença dos produtores Cintia Langie Araújo (Mestre em Comunicação Social pela PUC/RS e Professora de Cinema e Audiovisual e Cinema de Animação da Universidade Federal de Pelotas) e Rafael Andreazza (Mestre em produção e Direção de Cinema Digital pela Universidad de la Laguna, na Espanha em 2013), para uma conversa sobre a produção do filme e acerca da produção cinematográfica. E como mediação do debate, o evento contará com a presença da professora Carla Daniela Rabelo Rodrigues, Doutora em Ciências da Comunicação pela ECA/USP e Professora Adjunta do bacharelado em Produção e Política Cultural da Universidade Federal do Pampa.

 Serviço:

            Evento: Pensando a Produção Cultural – Cinema e Carnaval

            Local: Unipampa, Campus Jaguarão – Sala 208

            Data: 09/07/2015 (Quinta-feira)

            Horário: 17:00h.

            ENTRADA GRATUITA.

 

 

Links para vídeo:

https://www.youtube.com/watch?v=KOpARvFFAzU

Fonte: PET Produção e Política Cultural

Projeto de pesquisa coletiva “Levantamento da herpetofauna e avifauna do campus São Gabriel da UNIPAMPA.”

O Grupo PET Ciências Biológicas está realizando como trabalho de pesquisa de caráter coletivo, um levantamento da herpeto e avifauna do Campus São Gabriel da Universidade Federal do Pampa. Tem por objetivos conhecer a fauna local de aves, anfíbios e répteis e avaliar possíveis impactos causados pela alteração do ambiente em função da expansão do campus.As saídas são realizadas semanalmente e engloba os períodos da manhã, tarde e noite. São realizadas observações, registros fotográficos, capturas e coletas, e todo material é identificado com guias específicos. Vagas para os demais alunos do curso acompanharem nos campos são disponibilizadas, a fim de incentivá-los a conhecer o grupo, o programa e afinidades com as áreas do estudo.  Justifica-se pela necessidade de estudos no Bioma Pampa, e pela oportunidade de agregar atividade de pesquisa e educação tutorial.

Fonte: Grupo PET Ciências Biológicas

Programa de Educação Tutorial

O PET é um programa vinculado institucionalmente às Pró-reitorias de Graduação e Extensão, que pretende atuar sobre a graduação a partir do desenvolvimento de ações coletivas, de caráter interdisciplinar, objetivando a formação de um cidadão com ampla visão do mundo e com responsabilidade social.

Tem como objetivo promover a formação ampla de qualidade acadêmica dos alunos de graduação envolvidos direta ou indiretamente com o programa, estimulando a fixação de valores que reforcem a cidadania e a consciência social de todos os participantes e a melhoria dos cursos de graduação.  Leia mais aqui

CLAA-PET divulga relatório sobre o IV PAMPAPET

O Comitê Local de Acompanhamento e Avaliação dos Grupos PET (CLAA-PET) divulgou nesta quarta, 24 de junho, o Relatório do IV PampaPET

 

Arquivos

 

VII Semana Acadêmica do Campus Tecnológico de Alegrete

A Unipampa realizou a VII Semana Acadêmica do Campus Tecnológico de Alegrete (SACTA) no período de 08 a 12 de junho, organizado pelo Centro Estudantil juntamente com os Diretórios Acadêmicos dos cursos, com apoio do grupo PET Ciência, Tecnologia e Cidadania (PET CTC). Além do auxílio para o credenciamento, membros do PET CTC ministraram oficinas e minicursos: Oficina de Ftool (software para análise estrutural bidimensional) e Minicurso de Matlab (software interativo voltado para cálculo numérico).

No espaço destinado a atividades de extensão, a petiana Laura Junges apresentou o trabalho intitulado “Cidadania: Unipampa em interação com crianças em vulnerabilidade social” e a petiana Barbara Sanches apresentou o trabalho “Projeto Melhor Idade: Integração Social com os Idosos”.

Finalmente, a acadêmica Susy Santos, juntamente com o tutor do grupo, prof. Marco Tier, explanaram sobre a proposta do programa PET e apresentaram as principais atividades desenvolvidas pelo grupo.

Fonte: PET CTC